Formatação Básica de Roteiro para Cinema

Por Sandro Massarani A melhor maneira de aprender a escrever um roteiro na formatação correta sempre é ler a maior quantidade possível de roteiros prontos. Só assim o escritor conseguirá obter um conhecimento avançado do processo de construção da obra no formato Master Scenes. Aqui apresentarei apenas o básico. Em termos gerais, o roteiro de cinema pode ser basicamente dividido em quatro partes: Cabeçalho de Cena, Ação, Diálogos e Transições. Vamos começar a analisá-las através de um exemplo (sempre a melhor forma de aprender): INT. QUARTO DE HOTEL DE CHARLOTTE - NOITE Cabeçalho de Cena De costas, Charlotte olha a grande janela. Ação John chega e lhe dá um beijo. Mais Ação                       CHARLOTTE Personagem que faz o diálogo           Como foi hoje? Diálogo                       JOHN           Bom...Eu estou cansado. Ele a abraça por um momento, inclinando-se.                       JOHN (CONT)           Eu tenho que encontrar Kelly para           um drinque lá embaixo. Ela quer           conversar sobre algo de foto.                       CHARLOTTE           Ok. Talvez eu desça com você.                       JOHN           Você quer vir?                       CHARLOTTE           Claro.                       JOHN                (não quer que ela                vá)Parenthetical           Ok.                                          CUT TO:Transição Importante: a escrita do roteiro só deve ser iniciada após o autor ter estabelecido toda a estrutura de sua história e de ter preparado uma descrição resumida de cada cena e personagem. A escrita do roteiro é o penúltimo passo para a elaboração de uma obra, sendo a revisão do roteiro o último passo. Nada de se apressar e iniciar a escrita do script sem planejamento. 1. Cabeçalho de Cena Serve para introduzir uma nova cena. Na grande maioria das vezes teremos uma nova cena quando ocorrer uma mudança no espaço e/ou tempo no roteiro. Escrito sempre em maiúsculas, o cabeçalho é composto por três elementos: * Tipo de Localidade: INT. (Interior) ou EXT. (Exterior). Serve para a equipe de produção determinar a logística e os locais de filmagem. Se a câmera percorrer o ambiente, podemos ter algo como INT./EXT., mas esse tipo de escrita não é recomendado, deixando a escolha para o diretor. * A localidade: O nome do local. Por exemplo: CASA DE VERANEIO. Em alguns casos devemos especificar um local dentro de outro: CASA DE VERANEIO - COZINHA. * O tempo: Aqui o autor irá usar na grande maioria dos casos ou DIA ou NOITE, mesmo se o tipo de localidade for interior. Em raras ocasiões veremos termos como ENTARDECER ou AMANHECER. Só se for necessário para o andamento da história. Se a cena precisar do uso do relógio, poderemos usar o tempo exato: 1:15, MEIA-NOITE, 1984. Muitos escritores numeram as suas cenas. A numeração aparece antes e depois do cabeçalho: 1    EXT. ESTÁDIO - DIA    1 2. Ação É o que basicamente ocorre na cena.  O autor pode introduzir a ação com uma pequena descrição, caso seja a primeira vez que o local apareça no roteiro. Seja sutil na escrita, e não exagere nas descrições. Um roteiro de cinema não é escrito da mesma forma que um romance literário! Devemos descrever apenas o necessário para o andamento e entendimento da história. Deve-se evitar ao máximo dar ordens diretas para o diretor sobre posicionamento de câmera e ângulos de filmagem. Devemos notar que muitos autores não respeitam muito essa recomendação e acabam às vezes querendo agir como diretores. Ao invés de escrever um largo bloco de texto, divida a ação em pequenas partes com uma linha de espaço. Dessa forma, até ângulos de filmagem podem ser sutilmente sugeridos ao diretor, sempre com cuidado. INT. QUARTO DE NEO - DIA Neo acorda de um sono profundo, se sentindo melhor. Ele começa a se auto-examinar. Há um cabo futurista conectado em seu antebraço. Ele o retira, observando a tomada enxertada em sua pele. Ele passa a mão sobre a cabeça, sentindo um curto cabelo que agora a cobre. Seus dedos acham e exploram uma larga tomada na base do seu crânio. Logo que ele começa a se descolar, Morpheus abre a porta. É aconselhável o escritor escrever sempre no tempo presente. Os personagens são primeiramente introduzidos na ação, e toda vez que um novo personagem for introduzido ele deve aparecer em LETRAS MAIÚSCULAS. A maioria dos personagens também devem ser descritos de forma resumida quando aparecem pela primeira vez. Essa descrição deve ser basicamente uma descrição física: No ringue temos dois pesos pesados. Um branco e o outro negro. O lutador branco é ROCKY BALBOA. Ele tem trinta anos. Sua face tem cicatrizes e é rígida em torno do nariz. Seu cabelo preto brilha e pende sobre seus olhos. Além da introdução de personagens, as letras maiúsculas na Ação algumas vezes são utilizadas ao se referirem a um som (um GRITO, um ASSOBIO) , a objetos utilizados (um REVOLVER, um MARTELO), e qualquer outra coisa que o escritor queira chamar a atenção. Fica a critério do autor, mas é bom não exagerar. Quando uma cena é interrompida devido ao fim de uma página, alguns escritores utilizam o termo (CONTINUA), com alinhamento justificado na direita, onde era para ser a transição. Na página seguinte escrevem CONTINUA, com alinhamento justificado para a esquerda, no lugar do cabeçalho de cena. 3. Diálogos O bloco de diálogo é composto de dois componentes obrigatórios, Personagem e Diálogo, e um opcional, o Parenthetical. Os blocos de diálogos mais comuns usam apenas o nome do personagem e o que ele diz:                       ALVY           Oh, você é uma atriz.                       ANNIE HALL           Bem, eu faço comerciais, algo           assim... O Parenthetical deve ser utilizado somente para indicar algo que não tem como escrevermos de outra forma no script. O Parenthetical deve indicar uma ação ou emoção de um personagem, ou a direção de sua fala:                                                   ANNIE                  (sorrindo)             Bem, eu...                  (uma pausa)             Você é o que vovó Hall chamaria             de verdadeiro judeu.                       ALVY                  (Limpando sua garganta)             Oh, obrigado. Evite dizer para o ator como ele deve fazer o seu trabalho. Por isso tenha muito cuidado com os Parentheticals. Nenhum ator gosta de receber ordens do escritor. A escrita do roteiro deve ser boa o suficiente para o ator entender a expressão facial que ele deverá utilizar sem precisar toda hora ler um Parenthetical. Se uma ação é colocada entre os diálogos de um mesmo personagem, devemos indicar que o diálogo continua, escrevendo (CONT) após o nome do personagem. Se um diálogo é interrompido pelo final da página, escrevemos (MAIS) embaixo do diálogo com a mesma margem do nome do personagem. Na página seguinte escrevemos (CONT) ao lado do nome do personagem. Quando o escritor precisa do diálogo de um narrador, ele deve usar o termo V.O., de Voice Over ao lado do nome do personagem:                                           LESTER (V.O.)           Meu nome é Lester Burnham. Este é           meu bairro. Esta é minha rua. Esta           é...minha vida. Tenho quarenta e           dois anos. Em menos de um ano eu           estarei morto. Quando um personagem está falando em uma cena mas não aparece na tela, usamos o termo O.S. de Off Screen ao lado do seu nome: CLOSE em um rádio de madeira, tocando uma música quieta. A visão é a de um quarto escuro, com cortinas impedindo a luz do sol.                       MICHAEL (O.S.)           Teremos uma quieta cerimônia civil           no salão da cidade, sem agitação,           sem família, apenas alguns amigos           como testemunhas. 4. Transições Assim que a primeira imagem aparecer na tela temos que escrever FADE IN no roteiro, dar duas linhas de espaço e começar a primeira cena. Na esmagadora maioria das obras, FADE IN é a primeira coisa que o autor escreve. Quando a imagem desaparece da tela, como no fim de um filme, escrevemos FADE OUT. Após a última transição do filme, dar três linhas de espaço e escrever com alinhamento centralizado THE END. A transição mais comum é CUT TO (CORTAR PARA), que significa cortar para uma outra cena. Muitos escritores não utilizam mais o CUT TO entre as cenas, pois presume-se que a própria introdução de um novo cabeçalho de cena já seja suficiente para indicar a mudança. Além disso, para muitos é papel do diretor fazer a passagem de uma cena para a outra, e não do roteirista. 5. Formatando Não há uma regra obrigratória para a formatação. O roteirista não pode é variar de forma radical o modelo sugerido chamado de Master Scenes, cujas características básicas estamos aqui analisando. Existem pequenas variações entre os roteiros. Seguindo a formatação Master Scenes, cada página de roteiro tem em média um minuto. Para uma melhor construção de roteiros, existem alguns programas de computador que já formatam o script automaticamente. O melhor deles na minha opinião é o Final Draft, que é também o mais caro. Existe o Celtx que tem algumas funcionalidades de graça, existe em português e faz um razoável trabalho. Recentemente, tenho também usado o Scrivener, tanto para MAC quanto para Windows. Para quem sabe mexer em um processador de texto, é também possível a configuração dos espaçamentos no Microsoft Word. Há diversos outros programas de boa qualidade, inclusive para tablets e smartphones. Nem todos os roteiristas escrevem da mesma maneira. Inclusive existem roteiros que mudam ligeiramente a formatação mais comum. Saiba analisá-los e diferenciá-los e vá criando o seu estilo. Evite escrever em itálico, negrito, ou sublinhado. O tipo de papel utilizado é o carta (letter) de 21,59cm x 27,94cm. A capa não é numerada e nem conta como uma folha no script. Ela deve conter o nome da obra e do autor centralizados na página. Na última linha deve conter o copyright e o contato. A fonte do roteiro tem que ser sempre Courier New tamanho 12. A numeração da página deve ser feita na parte superior direita. 5.1 Margens - Margens superior e inferior - 2,5cm - Margem da esquerda - 3,8cm - Margem da direita - 2,5cm - Cabeçalhos de Cena - 3,8cm - Ação - esquerda 3,8cm - Personagem - 9,4cm - Parenthetical - esquerda 7,8cm, direita 7,4cm - Diálogo -  esquerda 6,5cm - direita 6,5cm (justificado para a esquerda) - Transição - Alinhamento justificado para a direita (exceto FADE IN, que tem margem de 3,8cm na esquerda, a mesma da ação). 5.2 Espaçamento Espaçamento Simples (Nenhuma linha de espaço, apertar uma vez a tecla Enter):    - Entre o Personagem e o Parenthetical    - Entre o Personagem e o Diálogo    - Entre o Parenthetical e o Diálogo Espaçamento Duplo (Uma linha de espaço, apertar duas vezes a tecla Enter):    - Cabeçalho de Cena para a Ação    - Ação para Ação    - Ação para nome do Personagem    - Diálogo para Ação    - Diálogo para nome de outro Personagem    - Diálogo para Cabeçalho de Cena    - Ação para Cabeçalho de Cena    - Ação para Transição    - Diálogo para Transição    - Transição para Cabeçalho de Cena Podemos ver que temos espaçamento simples apenas no bloco de diálogos, sendo o restante do roteiro escrito na sua maioria com espaçamento de uma linha (duplo Enter). 6. Conclusão: LEIA ROTEIROS Segue uma lista de sites para download de roteiros. Para analisar somente a formatação, prefira os roteiros em .PDF, que geralmente são os originais. De resto, pegue todos e leia a maior quantidade possível, pois agora que possuímos o básico, absorver as variações mais avançadas fica mais simples. A maioria dos sites contém apenas roteiros em inglês. Daily Script - www.dailyscript.com Roteiro de Cinema - www.roteirodecinema.com.br Awesome Scripts - www.awesomefilm.com The Weekly Script - www.weeklyscript.com
tópicos sobre narrativa, roteiros e mundos virtuais
Além do Cotidiano
Além do Cotidiano
tópicos sobre narrativa, roteiros e mundos virtuais

Formatação Básica de Roteiro para Cinema

Por Sandro Massarani A melhor maneira de aprender a escrever um roteiro na formatação correta é ler a maior quantidade possível de roteiros prontos. Só assim o escritor conseguirá obter um conhecimento avançado do processo de construção da obra no formato Master Scenes. Aqui apresentarei apenas o básico. Em termos gerais, o roteiro de cinema pode ser basicamente dividido em quatro partes: Cabeçalho de Cena, Ação, Diálogos e Transições. Vamos começar a analisá-las através de um exemplo (sempre a melhor forma de aprender): INT. QUARTO DE HOTEL DE CHARLOTTE - NOITE Cabeçalho de Cena De costas, Charlotte olha a grande janela. Ação John chega e lhe dá um beijo. Mais Ação                       CHARLOTTE Personagem do diálogo           Como foi hoje? Diálogo                       JOHN           Bom...Eu estou cansado. Ele a abraça por um momento, inclinando-se.                       JOHN (CONT)           Eu tenho que encontrar Kelly para           um drinque lá embaixo. Ela quer           conversar sobre algo de foto.                       CHARLOTTE           Ok. Talvez eu desça com você.                       JOHN           Você quer vir?                       CHARLOTTE           Claro.                       JOHN                (não quer que ela                vá)Parenthetical           Ok.                                          CUT TO:Transição Importante: a escrita do roteiro só deve ser iniciada após o autor ter estabelecido toda a estrutura de sua história e de ter preparado uma descrição resumida de cada cena e personagem. A escrita do roteiro é o penúltimo passo para a elaboração de uma obra, sendo a revisão do roteiro o último passo. Nada de se apressar e iniciar a escrita do script sem planejamento. 1. Cabeçalho de Cena Serve para introduzir uma nova cena. Na grande maioria das vezes teremos uma nova cena quando ocorrer uma mudança no espaço e/ou tempo no roteiro. Escrito sempre em maiúsculas, o cabeçalho é composto por três elementos: * Tipo de Localidade: INT. (Interior) ou EXT. (Exterior). Serve para a equipe de produção determinar a logística e os locais de filmagem. Se a câmera percorrer o ambiente, podemos ter algo como INT./EXT., mas esse tipo de escrita não é recomendado, deixando a escolha para o diretor. * A localidade: O nome do local. Por exemplo: CASA DE VERANEIO. Em alguns casos devemos especificar um local dentro de outro: CASA DE VERANEIO - COZINHA. * O tempo: Aqui o autor irá usar na grande maioria dos casos ou DIA ou NOITE, mesmo se o tipo de localidade for interior. Em raras ocasiões veremos termos como ENTARDECER ou AMANHECER. Só se for necessário para o andamento da história. Se a cena precisar do uso do relógio, poderemos usar o tempo exato: 1:15, MEIA-NOITE, 1984. Muitos escritores numeram as suas cenas. A numeração aparece antes e depois do cabeçalho: 1    EXT. ESTÁDIO - DIA    1 2. Ação É o que basicamente ocorre na cena.  O autor pode introduzir a ação com uma pequena descrição, caso seja a primeira vez que o local apareça no roteiro. Seja sutil na escrita, e não exagere nas descrições. Um roteiro de cinema não é escrito da mesma forma que um romance literário! Devemos descrever apenas o necessário para o andamento e entendimento da história. Deve-se evitar ao máximo dar ordens diretas para o diretor sobre posicionamento de câmera e ângulos de filmagem. Devemos notar que muitos autores não respeitam muito essa recomendação e acabam às vezes querendo agir como diretores. Ao invés de escrever um largo bloco de texto, divida a ação em pequenas partes com uma linha de espaço. Dessa forma, até ângulos de filmagem podem ser sutilmente sugeridos ao diretor, sempre com cuidado. INT. QUARTO DE NEO - DIA Neo acorda de um sono profundo, se sentindo melhor. Ele começa a se auto- examinar. Há um cabo futurista conectado em seu antebraço. Ele o retira, observando a tomada enxertada em sua pele. Ele passa a mão sobre a cabeça, sentindo um curto cabelo que agora a cobre. Seus dedos acham e exploram uma larga tomada na base do seu crânio. Logo que ele começa a se descolar, Morpheus abre a porta. É aconselhável o escritor escrever sempre no tempo presente. Os personagens são primeiramente introduzidos na ação, e toda vez que um novo personagem for introduzido ele deve aparecer em LETRAS MAIÚSCULAS. A maioria dos personagens também devem ser descritos de forma resumida quando aparecem pela primeira vez. Essa descrição deve ser basicamente uma descrição física: No ringue temos dois pesos pesados. Um branco e o outro negro. O lutador branco é ROCKY BALBOA. Ele tem trinta anos. Sua face tem cicatrizes e é rígida em torno do nariz. Seu cabelo preto brilha e pende sobre seus olhos. Além da introdução de personagens, as letras maiúsculas na Ação algumas vezes são utilizadas ao se referirem a um som (um GRITO, um ASSOBIO) , a objetos utilizados (um REVOLVER, um MARTELO), e qualquer outra coisa que o escritor queira chamar a atenção. Fica a critério do autor, mas é bom não exagerar. Quando uma cena é interrompida devido ao fim de uma página, alguns escritores utilizam o termo (CONTINUA), com alinhamento justificado na direita, onde era para ser a transição. Na página seguinte escrevem CONTINUA, com alinhamento justificado para a esquerda, no lugar do cabeçalho de cena. 3. Diálogos O bloco de diálogo é composto de dois componentes obrigatórios, Personagem e Diálogo, e um opcional, o Parenthetical. Os blocos de diálogos mais comuns usam apenas o nome do personagem e o que ele diz:                       ALVY      Oh, você é uma atriz.                  ANNIE HALL      Bem, eu faço comerciais, algo      assim... O Parenthetical deve ser utilizado somente para indicar algo que não tem como escrevermos de outra forma no script. O Parenthetical deve indicar uma ação ou emoção de um personagem, ou a direção de sua fala:                                                   ANNIE            (sorrindo)       Bem, eu...            (uma pausa)       Você é o que vovó Hall chamaria       de verdadeiro judeu.                  ALVY            (Limpando sua garganta)       Oh, obrigado. Evite dizer para o ator como ele deve fazer o seu trabalho. Por isso tenha muito cuidado com os Parentheticals. Nenhum ator gosta de receber ordens do escritor. A escrita do roteiro deve ser boa o suficiente para o ator entender a expressão facial que ele deverá utilizar sem precisar toda hora ler um Parenthetical. Se uma ação é colocada entre os diálogos de um mesmo personagem, devemos indicar que o diálogo continua, escrevendo (CONT) após o nome do personagem. Se um diálogo é interrompido pelo final da página, escrevemos (MAIS) embaixo do diálogo com a mesma margem do nome do personagem. Na página seguinte escrevemos (CONT) ao lado do nome do personagem. Quando o escritor precisa do diálogo de um narrador, ele deve usar o termo V.O., de Voice Over ao lado do nome do personagem:                                 LESTER (V.O.)   Meu nome é Lester Burnham. Este é   meu bairro. Esta é minha rua. Esta   é...minha vida. Tenho quarenta e   dois anos. Em menos de um ano eu   estarei morto. Quando um personagem está falando em uma cena mas não aparece na tela, usamos o termo O.S. de Off Screen ao lado do seu nome: CLOSE em um rádio de madeira, tocando uma música quieta. A visão é a de um quarto escuro, com cortinas impedindo a luz do sol.                  MICHAEL (O.S.)      Teremos uma quieta cerimônia civil      no salão da cidade, sem agitação,      sem família, apenas alguns amigos      como testemunhas. 4. Transições Assim que a primeira imagem aparecer na tela temos que escrever FADE IN no roteiro, dar duas linhas de espaço e começar a primeira cena. Na esmagadora maioria das obras, FADE IN é a primeira coisa que o autor escreve. Quando a imagem desaparece da tela, como no fim de um filme, escrevemos FADE OUT. Após a última transição do filme, dar três linhas de espaço e escrever com alinhamento centralizado THE END. A transição mais comum é CUT TO (CORTAR PARA), que significa cortar para uma outra cena. Muitos escritores não utilizam mais o CUT TO entre as cenas, pois presume-se que a própria introdução de um novo cabeçalho de cena já seja suficiente para indicar a mudança. Além disso, para muitos é papel do diretor fazer a passagem de uma cena para a outra, e não do roteirista. 5. Formatando Não há uma regra obrigratória para a formatação. O roteirista não pode é variar de forma radical o modelo sugerido chamado de Master Scenes, cujas características básicas estamos aqui analisando. Existem pequenas variações entre os roteiros. Seguindo a formatação Master Scenes, cada página de roteiro tem em média um minuto. Para uma melhor construção de roteiros, existem alguns programas de computador que já formatam o script automaticamente. O melhor deles na minha opinião é o Final Draft, que é também o mais caro. Existe o Celtx que tem algumas funcionalidades de graça, existe em português e faz um razoável trabalho. Recentemente, tenho também usado o Scrivener, tanto para MAC quanto para Windows. Para quem sabe mexer em um processador de texto, é também possível a configuração dos espaçamentos no Microsoft Word. Há diversos outros programas de boa qualidade, inclusive para tablets e smartphones. Nem todos os roteiristas escrevem da mesma maneira. Inclusive existem roteiros que mudam ligeiramente a formatação mais comum. Saiba analisá- los e diferenciá-los e vá criando o seu estilo. Evite escrever em itálico, negrito, ou sublinhado. O tipo de papel utilizado é o carta (letter) de 21,59cm x 27,94cm. A capa não é numerada e nem conta como uma folha no script. Ela deve conter o nome da obra e do autor centralizados na página. Na última linha deve conter o copyright e o contato. A fonte do roteiro tem que ser sempre Courier New tamanho 12. A numeração da página deve ser feita na parte superior direita. 5.1 Margens - Margens superior e inferior - 2,5cm - Margem da esquerda - 3,8cm - Margem da direita - 2,5cm - Cabeçalhos de Cena - 3,8cm - Ação - esquerda 3,8cm - Personagem - 9,4cm - Parenthetical - esquerda 7,8cm, direita 7,4cm - Diálogo -  esquerda 6,5cm - direita 6,5cm (justificado para a esquerda) - Transição - Alinhamento justificado para a direita (exceto FADE IN, que tem margem de 3,8cm na esquerda, a mesma da ação). 5.2 Espaçamento Espaçamento Simples (Nenhuma linha de espaço, apertar uma vez a tecla Enter):    - Entre o Personagem e o Parenthetical    - Entre o Personagem e o Diálogo    - Entre o Parenthetical e o Diálogo Espaçamento Duplo (Uma linha de espaço, apertar duas vezes a tecla Enter):    - Cabeçalho de Cena para a Ação    - Ação para Ação    - Ação para nome do Personagem    - Diálogo para Ação    - Diálogo para nome de outro Personagem    - Diálogo para Cabeçalho de Cena    - Ação para Cabeçalho de Cena    - Ação para Transição    - Diálogo para Transição    - Transição para Cabeçalho de Cena Podemos ver que temos espaçamento simples apenas no bloco de diálogos, sendo o restante do roteiro escrito na sua maioria com espaçamento de uma linha (duplo Enter). 6. Conclusão: LEIA ROTEIROS Segue uma lista de sites para download de roteiros. Para analisar somente a formatação, prefira os roteiros em .PDF, que geralmente são os originais. De resto, pegue todos e leia a maior quantidade possível, pois agora que possuímos o básico, absorver as variações mais avançadas fica mais simples. A maioria dos sites contém apenas roteiros em inglês. Daily Script - www.dailyscript.com Roteiro de Cinema - www.roteirodecinema.com.br Awesome Scripts - www.awesomefilm.com The Weekly Script - www.weeklyscript.com